O blog agora tem voz!

Foto: rawpixel.com

A tagarelice de alguma forma encontrou um jeito de se recostar em mim, apesar da timidez. Basta sentir confiança, franqueza e reciprocidade da outra parte para começar a falar, e ouvir também. Boa parte das vezes a vítima deste traço de personalidade é a minha mãe, em outros momentos sobra para os espelhos em casa. Diga-se de passagem, discutir na frente do espelho é como se de alguma forma o reflexo fosse outra pessoa, afinal, a palavra falada tem um impacto muito maior que as mesmas ideias em pensamento.

O (ECO) “…podcast filho do blog Revelara…” tem a função que o próprio nome já anuncia, ecoar a mesma tagarelice em plataformas de áudio. Como a timidez já foi mencionada, confesso que tomar a iniciativa de gravar, editar e publicar, significa um grande avanço.

Sobre a captação e edição, para a quem entende do assunto ou já está acostumado com produções excepcionais vai perceber a atmosfera improvisada, mas às vezes é preciso deixar algumas falhas passarem para começar de algum lugar, foi o que fiz. 

Espero que seja proveitosa a escuta e já antecipo uma função adicional para o primeiro episódio: induzir o sono — outro dia, antes de dormir, escutei para repassar a edição e dormi sem terminar a escuta —, a dica está dada! 

sinopse

Geografia corporal, ética alimentar, comida light (…), já parou pra pensar na quantidade de conteúdo que o nosso corpo abriga? Acolher e assimilar alguns deles, em Salvador (BA), foi a matéria prima da tese de doutorado: O corpo, o comer e a comida da Lígia Amparo. Professora da Escola de Nutrição e pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação e Cultura (NEPAC), ambos da UFBA. 

Apesar de retratar uma realidade do início dos anos 2000, o livro aponta para várias reflexões que ainda pautam a atualidade, por isso, o primeiro episódio do (ECO) traz uma leve pincelada sobre as impressões deste tão precioso estudo.